Esterilização de Casas/Escritórios Desinfeção por ozono

Desinfeção por ozono

A esterilização é efectuada com recurso a geradores de ozono de grande capacidade de produção, de 4 a 14 gr/hora, não sendo necessário, bem pelo contrário, a remoção de mobilias ou peças de corativas. Dependendo da área a tratar, volúme dos espaços, recorre-se a um ou vários geradores, para que o processo seja o mais breve possível.
O processo é rápido e extremamente eficaz.
Este processo é hoje utilizado em transportes terrestes, aéreos e marítimos, salas de espera, escolas, clínicas entre muitos outras actividades profissionais e privadas, de forma a ajudar a manter essas áreas isentas de vírus, bactérias, odores, etc. O ozono é muito mais eficiente e rápido que o Cloro em processos de esterilização, passando a oxigénio após 10 a 20 minutos. 

O ozono é um forte oxidante, 100% natural, que desinfeta e esteriliza o ar, a água e elimina bactérias, vírus, fungos e odores de uma forma completamente natural e os seus benefícios são inúmeros e estão provados cientificamente.

Está, de resto, cientificamente provado que o ozono é eficaz tanto na eliminação de vírus e bactérias, devido ao seu elevado poder desinfetante e bactericida, como no tratamento de 256 doenças.

Informação adicional

Ozono como desinfetante: prevenção de contágio por vírus, bactérias e fungos.
Os tratamentos de desinfecção do ar e das superfícies com ozono, contra o Coronavírus.

 

O ozono é o desinfetante mais eficiente para todos os tipos de microorganismos,de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).
Como prevenir infecções por coronavírus? Uso de ozono.
 
Pode-se dizer que o ozono não tem limites no número e nas espécies de microrganismos que pode eliminar, uma vez que actua sobre eles a vários níveis.
A oxidação direta da parede celular constitui seu principal modo de ação. Esta oxidação provoca a ruptura da referida parede, promovendo assim que os constituintes celulares saem da célula. Da mesma forma, a produção de radicais hidroxila, como conseqüência da desintegração do ozono na água, causa um efeito semelhante ao descrito.
O dano causado aos microorganismos não se limita à oxidação de sua parede: o ozono também causa danos aos constituintes dos ácidos nucléicos (DNA e RNA), causando a quebra das ligações carbono-nitrogênio, levando à despolimerização, de especial interesse no caso de desativação de todos os tipos de vírus. Os microrganismos não são, portanto, capazes de desenvolver imunidade ao ozono, pois lidam com outros compostos.
Portanto, o ozono é eficaz na eliminação de bactérias, vírus, protozoários, nematóides, fungos, agregados celulares, esporos e cistos (Rice, 1984; Owens, 2000; Lezcano, 1999).
Por outro lado, actua em menor concentração e com menos tempo de contato que outros desinfetantes, como cloro, dióxido de cloro e monocloramina.
Além disso, o ozono, como indicado anteriormente, oxida substâncias citoplasmáticas, enquanto o cloro produz apenas uma destruição dos centros vitais da célula, que às vezes não é eficaz para que os microorganismos consigam se recuperar (Bitton, 1994).
É de referir que o ozono, sendo um gás, tem a capacidade de penetrar e ocupar todas as áreas de difícil acesso por difusão, o que representa uma grande vantagem sobre outros desinfetantes. Além disso, o ozono tem a versatilidade de poder ser dissolvido em água ou na forma gasosa em ambientes onde não é possível usar água ozonizada para desinfecção.
O amplo espectro de ação do ozono como desinfetante é de especial relevância no caso em questão, uma vez que os vírus que transmitem doenças virais mais ou menos graves, podem ser transferidos de um hospedeiro humano para superfícies, de onde não são eliminados com tratamentos convencionais, desinfecção. Lembre-se de que os vírus, por natureza, são muito instáveis ​​fora do hospedeiro e desativá-los é mais fácil do que eliminar bactérias e fungos resistentes e seus esporos, algo que os tratamentos com ozono alcançam sem dificuldade. O uso de ozono, tanto na água como no ar, para desinfecção da superfície é muito mais aconselhável do que o uso de outros desinfetantes atuais.
 
Ozono como desinfetante - Tratamento de vírus com ozono
 
De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), "os vírus encapsulados são suscetíveis a uma ampla gama de desinfetantes hospitalares usados ​​para desinfetar superfícies duras e não porosas. Em contraste, os vírus desencapados são mais resistentes aos desinfetantes". (1)
A EPA (Agência de Proteção Ambiental dos EUA) possui uma lista de desinfetantes que especificam nos rótulos a sua eficácia contra vírus nus (por exemplo, norovírus, rotavírus, adenovírus, vírus da poliomielite) e que possuem amplo espectro antiviral, pois são capazes inativar vírus embrulhados e nus.
Na União Européia, com a entrada em vigor do Regulamento para Produtos Biocidas (BPR, na sigla em inglês), o ozono é incluído como biocida para diferentes usos, no grupo de Desinfetantes foi classificado como aplicável à desinfecção de superfície , materiais, equipamentos, móveis, sistemas de ar condicionado, paredes, pisos de locais públicos e privados, áreas industriais e outras áreas para atividades profissionais, também para desinfecção do ar. (TP 2) 2
 
De fato, de acordo com a OMS, o ozono é o desinfetante mais eficiente para todos os tipos de microrganismos.(3) No documento da OMS a que nos referimos, é detalhado que, com concentrações de ozono de 0,1-0,2 mg / L.min, a inativação de 99% de rotavírus e vírus da poliomielite, também pertencente ao grupo 4 de coronavírus, é alcançada.
 
Obviamente, não existem estudos específicos sobre a inativação dos vírus mais infecciosos com ozono (nem com outros desinfetantes), devido ao risco que tais estudos implicariam, sem mencionar os custos que implicariam.
Vírus que não envolvem riscos são usados ​​como indicadores da eficácia de um biocida, nem para pesquisadores nem para um possível acidente. Os bacteriófagos (como o pX174) têm sido amplamente utilizados como indicadores de poliovírus, enterovírus, vírus envelopados e vírus da imunodeficiência humana (HIV), porque são seguros e fáceis de manusear.(4)
Assim, num estudo mais recente (2006) 5, uma série de fagos (vírus usados ​​como indicadores, como apontamos), nus e embrulhados, com os quatro tipos possíveis de material genético: cadeia única (ssRNA, ssDNA) e cadeia dupla (dsRNA e dsDNA),com o objectivo de determinar a capacidade viricida do ozono sob diferentes condições. Como o ozono danifica principalmente as proteínas do capsídeo, vírus com diferentes arquiteturas também foram considerados.
 
Referências:
 
1CDC, "Orientação provisória para controle de infecções ambientais em hospitais para o vírus Ebola"
2 Anexo V. Regulamento 528/2012. Comercialização e uso de produtos biocidas.
3Disinfetantes e subprodutos da desinfecção
4Dileo et al. 1993; Lytle et al. 1991; Maillard et al. 1994
5Chun-Chieh Tseng e Chih-Shan Li (2006), "Ozônio para Inativação de Bacteriófagos Aerossolizados". Aerosol Science and Technology, 40: 9, 683-689, 2006. DOI: 10.1080 / 0278682060079

SEM PRODUTOS APRESENTAR